A verdade sobre a árvore de natal e a guirlanda

sexta-feira, 25 de novembro de 2016


A origem das coisas 


Você pesquisa a origem de todas as coisas antes de usá-las? Você sabe a origem desse computador, desse celular ou desse tablet que está usando? Você sabe se quem o produziu o ofereceu aos seus próprios deuses ou se o criador dessas coisas era um adorador do diabo? Aquele arroz que você comeu hoje na hora do almoço, você sabe se foi plantado por algum agricultor que ofereceu sua colheita aos seus deuses ou se a fábrica que fez o beneficiamento pertence a alguém que todos os dias oferece a sua produção ao diabo?

Aqueles que satanizam a árvore de natal e as guirlandas por conta de sua SUPOSTA origem pagã, deveriam também pesquisar a origem de todas as coisas que usam em seu dia a dia, caso contrário, isso tem aquele cheiro da famosa hipocrisia, que foi muito condenada por Jesus. Agora imagine comigo: já pensou se nós fossemos pesquisar a origem de cada coisa que usamos por causa desse medinho que muitos têm do diabo como se ele fosse o criador das coisas e como se ele tivesse um poder que está acima do poder de Deus? Iríamos ficar doidos, perder toda a nossa liberdade em Cristo!

Paulo passou por um problema parecido. Mas na época dele o problema eram as coisas vendidas no mercado. Era comum as pessoas oferecerem suas colheitas e seu alimentos aos seus deuses e muitas vezes os servos de Deus ficavam sem saber se aquilo que compravam no mercado era algo sacrificado a ídolos. Qual foi a orientação de Paulo?
Vejamos: “Comei de tudo o que se vende no mercado, sem nada perguntardes por motivo de consciência; porque do Senhor é a terra e a sua plenitude” (1 Coríntios 10:25).

Em outro momento Paulo teve problemas com pessoas que proibiam outras de comer carne, pois essa carne seria uma carne que foi oferecida a ídolos. A orientação de Paulo é libertadora:“Não é a comida que nos recomendará a Deus, pois nada perderemos, se não comermos, e nada ganharemos, se comermos” (1 Coríntios 8:8).

Paulo deixa claro que esse “poder” que algumas pessoas conferem a qualquer ídolo, como se ele fosse capaz de ter alguma coisa, de criar alguma coisa, é uma grande besteira, é conferir aos ídolos algo que eles não têm: “No tocante à comida sacrificada a ídolos, sabemos que o ídolo, de si mesmo, nada é no mundo e que não há senão um só Deus” (1 Coríntios 8:4).

Jesus fazia exatamente dessa forma. Lembra que várias vezes ele comia com pecadores? Certamente esses pecadores tinham seus deuses e muitos de seus alimentos eram oferecidos aos seus deuses. Mas Jesus sabia que essas coisas não tinham poder sobre Ele ou sobre um servo de Deus, “pois tudo que Deus criou é bom, e, recebido com ações de graças, nada é recusável” (1 Timóteo 4:4).

Quando usar árvore de natal e guirlandas pode ser pecado? 


Analise a sua motivação e seus objetivos

A motivação do nosso coração pode indicar que usar árvore de natal e guirlandas pode se tornar algo que não agrada a Deus quando essa motivação em usar esses objetos é para não glorificar a Deus ou para glorificar a outros deuses. É importante dizer que podemos também ter esse tipo de motivação com qualquer tipo de objeto e não somente com objetos natalinos. Podemos ter uma motivação errada com a casa que temos, com o carro, com os alimentos, com as roupas, com tudo. O homem tem a grande capacidade de transformar tudo em algum deus falso e adorá-lo. Outra coisa importante a cuidar é do nosso testemunho com os de fora. Paulo, quando tratou dos assuntos que mencionei acima, traz uma ressalva importante: “E, por isso, se a comida serve de escândalo a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que não venha a escandalizá-lo” (1 Coríntios 8:13).

Se de forma clara e consciente a nossa atitude em aceitar algo, seja árvore de natal, guirlandas ou qualquer outra coisa, ferir de alguma forma a consciência de alguém, segundo a orientação de Paulo, é melhor não priorizar a confusão, mas abrir mão daquilo em favor daquele que é mais fraco e não tem ainda condição de perceber que comer aquela carne ou ter aquela árvore de natal em casa não faz de ninguém um adorador de outro deus.

Conclusão

A verdade sobre a árvore de natal e sobre as guirlandas é que existe muita polêmica boba sobre elas. Não existe qualquer atestado de autenticidade sobre as lendas de sua origem e que são usadas por muitos de forma hipócrita para proibir o seu uso. O crente pode usar sim de forma saudável como enfeite sem qualquer problema, desde que com motivação correta e sem o objetivo de ferir a consciência dos mais fracos na fé. Ou seja, a verdade sobre a árvore de natal e as guirlandas é que não temos o poder de proibir quem quer que seja de usá-las sobre o pretexto de que elas teriam sido usadas num passado que ninguém sabe ao certo por pagãos em supostos rituais.

Se fizermos esse tipo de proibição, que sejamos coerentes e analisemos a origem de todas as coisas que usamos e tiremos tudo aquilo que tem origens parecidas.
Está disposto a viver essa prisão desnecessária?

Créditos:
Estudo: Esboçando Ideias
Imagem: Blog Cecilia Dale


0 comentários :

Postar um comentário